quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Guardando o Rebanho - Silva Porto


Análise da obra
Guardando o Rebanho

A obra Guardando o Rebanho, de António Carvalho da Silva Porto, que se encontra no Museu Nacional de Soares dos Reis (Porto), e realizada com óleo sobre tela (160 x 200cm), foi criada em 1893, e insere-se na estética realista.

Nesta pintura, tão própria do Realismo, pode-se observar uma atmosfera bastante objectiva e luminosa do campo, em que subsiste uma descrição detalhada e pormenorizada de toda a Natureza e elementos envolventes (montes, ervas, terra batida, etc.).

A nível iconográfico, pode-se presenciar um camponês num plano mais próximo, a ordenar o seu rebanho de ovelhas (sinónimo de sustento e de trabalho). Este é ainda acompanhado por um burro que suporta um fardo de palha e, onde se encontra uma digna e trabalhadora camponesa. Podemos concluir, pelas sombras e pela luminosidade com que o pintor concretizou esta obra, que esta é realizada num ambiente de Verão, onde a temperatura parece ser a protagonista. Ou seja, revela-se, assim, as duras condições de trabalho com que as classes mais baixas eram confrontadas diariamente.

Nesta obra pictórica, Silva Porto, consegue transmitir que as personagens do quadro têm carisma, dignidade e, com isso, são merecedoras de todo o respeito. Num ambiente próximo do Alentejo, dada a presença da oliveira, o artista consegue reflectir melhor do que ninguém o objectivo deste movimento que, utilizou a arte como instrumento de denúncia social e política (arte útil).

Os artistas como Silva Porto (1850-94), Silva Oliveira (1853-1927), José Malhoa (1855-1933) e Columbano Bordalo Pinheiro (1857-1929), insurgiram-se contra o rigor académico e, procuraram simplificar o claro-escuro e praticar uma composição naturalista, sem alterar o enquadramento das cenas captadas. De forma geral, o desenho e a cor são matéricos e opacos e as pessoas são representadas com um ar simples e humilde, mas não miserável.

Captando a realidade social da 2ª metade do século XIX e, abandonando o subjectivismo, o sentimentalismo e o nacionalismo do Romantismo, os artistas deste movimento conseguem observar a realidade e reproduzi-la com sinceridade, demonstrando interesse pelo mundo contemporâneo. Atente-se quem em Portugal este estilo que se soube influenciar pela Fotografia, pelo Positivismo de Comte e, pelo Naturalismo de Escola de Barbizon, sofreu um atraso estrutural. Dado num período denominado por Regeneração, foi fortemente marcado pela conjectura social, económica e política (partilha de África no Congresso de Berlim, Ultimato Inglês, ditadura de João Franco, contestação à monarquia e o desenvolvimento dos ideais republicanos). No entanto, o aparecimento de obras como estas, numa sociedade conservadora nas suas mentalidades, reflecte que existiam artistas e mentes preocupadas com os seres mais vulneráveis e desfavorecidos da sociedade do século da mudança, das transformações e dos fortes efeitos da industrialização.

A obra de Silva Porto é uma das mais simbólicas e importantes do Realismo em Portugal ou não fosse a sua representação do real e dos temas sociais tão racional e criativa.

Trabalho de:Tânia Filipa Madeira Roberto

Sem comentários:

Enviar um comentário